27 de outubro de 2010

Silêncio

"Assim como do fundo da música
brota uma nota
que enquanto vibra cresce e se adelgaça
até que noutra música emudece,
brota do fundo do silêncio
outro silêncio, aguda torre, espada,
e sobe e cresce e nos suspende
e enquanto sobe caem
recordações, esperanças,
as pequenas mentiras e as grandes,
e queremos gritar e na garganta
o grito se desvanece:
desembocamos no silêncio
onde os silêncios emudecem. "

Octavio Paz, in "Liberdade sob Palavra"

4 comentários:

Malu disse...

Voltou e tão mais belas páginas... sempre a mesma sensibilidade.
Que felicidade.
Vou já te adicionar aos blogs que sigo. e tem mais quero que conheça um endereço e vê se advinha sua dona...
http://marazade.blogspot.com
Através deste descobrirá mais duas páginas
Beijocas Anjinha

Sus disse...

Malu,
Sê bem vinda a este meu novo espaço.
Visitarei os endereços que falas.

Beijos!

Sonhadora disse...

Minha querida

Um belo e nostálgico poema, um grito do fundo da alma onde guardamos os silêncios que nos paralizam a voz.
No nosso silêncio fica tudo o que doi.

Deixo-te o meu carinho e um beijinho
Sonhadora

Sus disse...

Sonhadora,

No silêncio guardam-se os gritos mais profundos e sufocantes...

Beijinhos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...