7 de julho de 2012

Um dia...



Um dia a minha mão deslizará novamente no teu rosto
Os meus lábios beijarão os teus, loucos de paixão
Um dia o meu olhar fundir-se-á no teu
Seremos estrelas perdidas num amor rendido
Seremos nuvens, seremos sol, seremos a serenidade
Do por do sol no fim de uma tarde de verão
Um dia os dias serão noite, e as noites dias iluminados
Onde a razão deixará de criar ninhos de dúvidas
Onde a dor deixou o seu rasto marcado
Onde um dia a loucura das ventos pairou infernalmente
E destruiu todos os sonhos, as esperanças, as ilusões
Um dia as constelações vergar-se-ão à beleza das searas
Amarelecidas pelo calor do sol, tocando levemente a luz do luar
Meu corpo será só teu, em tracejados suaves
Arrepios sentidos em toques partilhados
onde a alma conjuga o verbo do amor
Um dia seremos verão e inverno, na eternidade perdida
Um dia o silêncio dirá tudo…
As palavras deixarão de fazer ruído
Os toques, os olhares, os sorrisos eliminarão as sílabas
Suadas em gemidos lânguidos, estremecidas pela paixão
E tudo fará sentido, escrito em pedaços de seda
Um dia a minha mão desenhará as palavras que hoje calo…

5 comentários:

Menina do cantinho disse...

As palavras faltam depois de ler este poema... demasiado especial e ternurento

Nilson Barcelli disse...

Magnífico poema.
Gostei imenso.
Há muito tempo que não te visitava, mas vejo que continuas a fazer boa poesia.
Beijo, Sus.

Nilson Barcelli disse...

Não publicas os meus comentários? Será que vão para o spam?
Beijo.

Malu disse...

Passando e sempre me emocionando com suas postagens.
Adoro navegar por aqui... Vamos lá, essas tristezas nas postagens são pura sensibilidade, uma forma de ver o mundo a qual nem todos tem essa capacidade!
Abraços e meu carinho...

Janaina Cruz disse...

Não apenas o poema, mas todo o blog é perfeito!

Viajei nas palavras me detive nas imagens...

Espero que não tenhas deixado esse blog para trás.

Sigo-o para voltar a ler-te outras vezes mais.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...